Músicas Árabe – Instrumentos musicais

Os instrumentos musicais das músicas árabe são divididos em 3 categorias, que são instrumentos de sopro , como flauta, instrumentos de cordas , como oud e lei, e instrumentos de percussão , como bateria e pandeiro.

A orquestra árabe que carrega esses instrumentos é chamada de takht oriental.

Assim a música árabe tem características únicas, instrumentos distintos e melodias encantadoras.

Vamos rever alguns dos instrumentos das músicas árabe, que são intitulados “o takht oriental”.

Flauta – Músicas árabe

flauta - Músicas Árabe - Instrumentos musicais

Um instrumento inflável e é realmente o instrumento musical mais antigo da história das músicas árabe, se excluirmos os instrumentos rítmicos.

A flauta tem vários nomes pelos quais é conhecida como a flauta brilhante jovem. A flauta é uma palavra persa que significa oboé.

É uma bengala aberta de ambos os lados, que é tocada colocando a boca em uma das extremidades, inclinando-a levemente em ângulo.

Dessa forma, faz com que o ar colida com sua parede interna, produzindo o resultado de uma voz perspicaz que é a mais próxima e mais bonita dos seres humanos.

A flauta tem seis orifícios (às vezes sete) e um orifício no meio da palheta a partir do fundo.

Bloqueando esses orifícios e abrindo-os de acordo com o tom do som e produzindo as marcas em uma sequência com a qual o soprador pode produzir as notas musicais para produzir a melodia desejada.

Assim, a flauta é velha … quero dizer, muito velha. Traços da flauta remontam a 43.000 a 35.000 anos atrás, tornando-o o instrumento mais antigo conhecido.

Músicas árabe – Flautas

Esses primeiros instrumentos foram feitos de ossos de animais pré-históricos e nos dão uma ideia da vida dos primeiros homens.

As flautas foram tocadas por milhares de anos, no entanto, a flauta que você conhece não começou a tomar forma até o século XV, onde era usada parte de cerimônias militares.

Contudo, este instrumento ainda estava longe do que sabemos hoje, sendo feito de madeira, uma peça e tendo seis orifícios.

No século 16, a flauta começou a chegar às configurações musicais mais formais dos tribunais.

O grupo de flautas, que consistia em três flautas de tamanhos diferentes, tornou-se muito popular, mas o design dessas flautas exigia dedilhados diferentes que tornavam a entonação imprevisível.

Então no século XVII, a flauta sofreu uma reforma dramática por uma família francesa de fabricação de flautas, conhecida como Hotteterres, onde agora era construída com três peças diferentes.

Dessa forma, uma articulação da cabeça, um corpo de seis furos e uma articulação do pé.

O que tornou esta articulação do pé especial é que ela acrescentou uma chave! Era uma melhoria muito necessária, mas ainda havia problemas.

No século 18, os fabricantes de flautas começaram a adicionar mais chaves, passando de seis para oito. Esse novo sistema de oito furos tornou-se padrão, embora houvesse alguns com nove e dez furos.

Isso facilitou a amenizar alguns dos impasses com dedilhados, mas não colaborou com a entonação.

Músicas árabe – Flautas

Muitas pessoas mexeram com o design da flauta, mas não foi até 1830 quando Theobald Boehm, um flautista alemão de Munique, começou a trabalhar em um novo design.

Esse novo design incluía novos e maiores orifícios para tom, posicionamento dos orifícios e chaveiros.

Dessa forma nas duas décadas seguintes, ele modificou a flauta de várias maneiras diferentes, incluindo um novo sistema de chave e dedilhado.

Novas formas de tubo para a junta e o corpo da cabeça, a incorporação de molas de pinos e a alteração da embocadura de uma forma oval redonda para uma forma retangular com bordas arredondadas.

Assim, desde que as flautas projetadas pela Boehm foram introduzidas em meados do século XIX, muito pouco mudou na construção das flautas.

Oboé – Músicas árabe

oboe - Músicas Árabe - Instrumentos musicais

O oboé oriental é um instrumento tradicional antigo, com um som forte, geralmente usado nas músicas árabe em bandas de folclore.

Assim um jogador habilidoso de oboé pode tocar os rituais de Nawat, os versos de Hosseini e os rios de Doug.

O oboé e seus ancestrais de palhetas duplas são provavelmente um dos instrumentos mais antigos, datando de 2.800 AC.

Conhecemos sua antiguidade porque instrumentos de língua dupla semelhantes aparecem em obras de arte e na literatura, fazendo referência a países como Índia, Mongólia, China, Arábia, Grécia e Japão.

Assim, desses países, sua influência se estendeu à Europa através da Rota da Seda na Idade Média.

A evolução do oboé e sua história é retratada especialmente em três ancestrais:

OS AULOS (664 – 30 AC):

O aulos é o primeiro modelo a partir do qual o oboé atual nasceu, na Grécia antiga, acredita-se que tenha sido aplicada no teatro e em outras ocasiões importantes.

CALAMUS / MEDIVAL SHAWM (476 CA – 1.492 CA):

O instrumento no qual os uivos evoluíram durante a Idade Média consistia em um único tubo de madeira e tinha uma forma cônica com um sino.

Também tinha vários comprimentos para atingir diferentes tons e um buraco para colocar a língua dupla ou um bocal (um pedaço de metal ligeiramente angulado coberto por cortiça na extremidade inserida no instrumento), de modo que a língua assente.

Assim este instrumento era conhecido como calamus (calamus é a palavra latina para junco). É a partir dessa palavra que o nome em inglês shawm é derivado.

HAUTBOIS (século XVII):

Em meados do século XVII, nasceu o primeiro Oboé Barroco, chamado Hautbois, que significa madeira alta. Este foi criado na França, onde foi usado para entreter o tribunal.

Era de madeira e tinha vários orifícios, mas apenas duas ou três chaves.

Também durante esse período, foi criado o oboé da caccia, que tinha um corpo curvado e era usado em muitas cantatas e massas de Bach.

Esse instrumento foi o que deu origem ao oboé que estreou na França em 1657 na orquestra, o instrumento tinha muitas formas anteriores, datadas de séculos atrás.

Contudo, após o oboé de estilo francês, surgiu o de estilo alemão, mais um design mais avançado que caracterizou sua expansão por toda a Europa.

Entretanto no final do século 19, a França voltou ao contra-ataque com um novo mecanismo revolucionário para o oboé.

O novo sistema desenvolvido na França era conhecido como estilo conservatório. Este é o estilo oboé que agora é o mainstream.

Rebab – Músicas árabe

rebab 1024x683 - Músicas Árabe - Instrumentos musicais

Rebab é um antigo instrumento musical de corda única, criado pela primeira vez por árabes nômades na Península Arábica, de herança beduína e mais do que usado pelos poetas elogiados.

Portanto seu amoldamento ao clima desértico. O rebab é feito de ferramentas simples disponíveis para o povo do deserto, como madeira de árvores, pele de cabra, veado e passeios de cavalo.

Na Índia, o rebab balinês é catalogado como um “violino pontudo”. Acredíta-se que tenha sido criado na Pérsia e possivelmente tenha entrado na Indonésia pelo comércio entre eles.

Dessa forma e usado como um instrumento melódico em várias orquestras gamelanas balinesas, nomeadamente gambuh, semar pegulingan e gong suling.

O ressonador de uma rebarbação é feito de madeira ou casca de coco e coberto na parte da frente com tripas de animais.

Músicas árabe – Rebab

O pescoço e os pinos de ajuste que parecem orelhas também são de madeira. Tradicionalmente, as cordas de rebarbação eram feitas de fio de cobre, mas nos últimos tempos, especialmente em Bali, elas foram substituídas por cordas de violão.

Entretanto, visualmente semelhante ao seu homólogo javanês, a versão balinesa é diferente de várias maneiras.

É relativamente menor e simplificado, e a maioria dos ressonadores é feita a partir de cascas de coco.

O pescoço também é coberto quase inteiramente com motivos decorativos feitos de prata, acentuando a forma graciosa do instrumento.

Portanto um rebote é tocado por um músico solo sentado de pernas cruzadas e é mantido na posição vertical na frente da canela esquerda ou entre a panturrilha e a coxa.

O artefato curvo o instrumento com um arco feito de madeira e rabo de cavalo ou, atualmente, nylon.

Músicas árabe – Rebab

Até alguns anos atrás, pensava-se que os fabricantes de rebabines de Bali estavam extintos, mas agora existem poucos emergindo aqui e ali, visivelmente em East Denpasar.

Assim estes instrumentos são verdadeiras obras de arte e apresentam todos os acessórios típicos de Bali: ornamentação em couro dourado, borlas e até jóias.

Um rebab não é um instrumento fácil de aprender e é difícil até produzir um som no início, mas, como em muitas músicas gamelanas, a persistência é a chave!

O alaúde (OUD) – Músicas árabe

alaude - Músicas Árabe - Instrumentos musicais

É um instrumento musical do oriente com uma história de vestígios que alguns se referem a Noé. A palavra oud, em árabe, significa madeira.

Dessa forma o Oud é um dos principais instrumentos de corda das músicas árabe.

Possui cinco cordas duplas e uma sexta corda pode ser conectada ao alaúde. Seu campo sonoro abrange cerca de uma oitava e meia.

Assim toda a literatura musical oriental mostra e enfatiza o uso de um ou mais tipos de gravetos. O oud é considerado um dos principais instrumentos do takht musical oriental.

Na era moderna, há mais de um país arábico requerendo sua superioridade em fazer alaúdes como Bagdá e Damasco, visto que possuem vários artesãos.

Idade média

Durante o período de 500 anos de sua popularidade histórica, o alaúde europeu passou por uma evolução considerável.

Não sobreviveu nenhum instrumento construído na Europa durante a idade média, mas uma certa quantidade de informação pode ser obtida em pinturas, esculturas e descrições escritas a partir desse momento.

Portanto é provável que a maioria dos alaúdes durante esse período tenha sido relativamente pequena, com quatro cursos e usualmente com uma pena ou palheta (palheta).

As tentativas de reconstruir alaúdes medievais envolvem necessariamente uma quantidade significativa de especulações, assim como apresentações de música daquele período.

Dessa forma, com base em evidências secundárias, e não em exemplos sobreviventes, parece que os alaúdes fabricados na Europa durante o século XV foram predominantemente instrumentos de cinco pratos.

Músicas árabe – Alaúde

No final daquele século, também vemos o alaúde tocando mais comumente diretamente com os dedos, em vez de usar palheta.

Os exemplos mais antigos de alaúde existentes em coleções de museus datam do início do século XVI e, nessa época, eram feitos com seis cursos.

O primeiro livro de música impressa para alaúde, publicado por Petrucci em Veneza em 1507.

Também é para um instrumento com seis percursos, e a música contém várias linhas de melodia independentes, de modo que não pode ser tocada com uma palheta.

QANUN (LEI) – Músicas árabe

lei - Músicas Árabe - Instrumentos musicais

Um antigo instrumento musical de cordas que remonta há cerca de 5 mil anos, a LEI na forma atual é um instrumento das músicas árabe que remonta à era abássida. Originário da harpa egípcia.

Contudo foi movido para a Europa pela Andaluzia por volta do século XII DC, a lei consiste em uma caixa acústica geralmente feita de madeira de nogueira na forma de um ângulo oblíquo.

Na caixa existem várias aberturas chamadas sol para fortalecer a ressonância.

Dessa forma a lei geralmente contém 78 cordas para cada três cordas de um tom e desenha as cordas paralelas à superfície da caixa acústica e no lado esquerdo da máquina de LEI há uma régua de tensionar.

Músicas árabe – lei

No século XII, sob os nomes: kanon , caña e canon , seu uso como instrumento musical tornou-se conhecido na maioria dos países europeus.

Por fim, nos séculos seguintes, se espalhou por todas as terras sob influência muçulmana  até a China e a Indonésia.

Entretanto, ele sobrevive como um instrumento musical preferido, principalmente na música clássica, e principalmente nos países de língua árabe, na Turquia e no subcontinente indiano.

Na Espanha, até o século XV, o qanun preservava sua forma, ornamentação oriental e nome.

No entanto, mesmo após seu declínio, essa criação de Al-Farabi continuou a ser tocada em ocasiões especiais na sociedade da moda.

Músicas árabe – lei

Posteriormente, não apenas na Espanha, mas também em todos os países europeus, o qanun evoluiu para o saltério, um membro da família da cítara, que por sua vez deu à luz o cravo (uma grande forma de saltério) do qual o piano nasceu .

Nos nossos dias, os saltérios arrancados continuam a ser tocados na música folclórica europeia.

Dentre estes, destacam-se: kannel estoniano , kantele finlandês , micanon francês , kanon alemão , canone italiano, Gusli russo , kanala escandinavo e bandura ucraniano .

O qanun é um instrumento trapezoidalmente angular plano, de 75 a 100 cm de comprimento e 50 a 60 cm de largura.

Assim, seu corpo é feito de madeira e a mesa de som metade da madeira e metade da pele de peixe.

Dessa forma, o número total de strings varia de 64 a 82, mas geralmente é de 24 strings em triplo com um intervalo de três oitavas. Eles são confeccionados de tripa ou nylon.

Entretanto, na Índia, ocasionalmente são preparados de metal.

Músicas árabe – lei

Mais do que qualquer outro instrumento em uma orquestra árabe, o qanun é adequado para a exibição de virtuosismo e execução em escala rápida.

Os jogadores colocam o qanun horizontalmente apoiado sobre os joelhos ou em uma mesa especial diante deles, com os pinos de ajuste à esquerda e a corda mais longa perto do corpo.

Então é tocado com palmas dedais, colocadas na ponta do dedo indicador de cada mão. A mão direita toca a melodia enquanto a esquerda a dobra na oitava inferior.

O tom pode ser facilmente aumentado ou abaixado durante o jogo por meio de alavancas.

Nas orquestras árabes clássicas modernas, geralmente consistindo no qanun, ‘ud (alaúde) , kamanja (violino) e não (flauta), o qanun é o instrumento principal – o takht (cama) da orquestra .

O rivais e até mesmo supera o ‘ud – a ser dito por alguns músicos árabes, sultão de entretenimento árabe.

Contudo, considerado um instrumento nobre, o qanun normalmente não é utilizado para música folclórica ou popular.

Seus jogadores são a elite no mundo dos músicos. Eles gozam de alta estatura e estão sempre em demanda. Essa estima tem base firme. Aprender a tocar este instrumento complexo não é tarefa fácil.

Músicas árabe – lei

Seus inimigos dizem que leva meia vida para aprender a tocar o qanun e a outra metade para afinar o instrumento.

Assim, a afinação do qanun em quartos de meio tom produz um tom delicado, porém brilhante, geralmente fascinando seus ouvintes, mesmo aqueles que não estão familiarizados com a música árabe.

Os hotéis turísticos do mundo árabe entenderam o efeito de atração deste instrumento inventado árabe.

Em suas residências de luxo, muitas vezes um jogador de qanun é contratado para tocar melodias suaves para visitantes em salões de chá, salões e restaurantes.

Embora já tenham se passado mais de mil anos desde que Al-Farabi deu ao mundo o qanun , ele continua um instrumento mágico árabe.

ZURNA – Músicas árabe

ZURNA 1 - Músicas Árabe - Instrumentos musicais

Aparelho de sopro de origem Armênia, produz um som bastante alto, geralmente usado em ambientes externos como festas, rituais, jogos populares…

Possui tamanhos diferentes para cada tom, mudando a tonalidade conforme a embocadura.

Assim o Zurna é um instrumento de sopro de palheta duplo da Turquia. Seu som é alto e estridente, por isso é mais adequado para tocar ao ar livre.

Contudo, os zurnas são frequentemente jogados em pares. Essa combinação está tão bem estabelecida que, em algumas regiões, o termo davul-zurna realmente significa “música”.

O zurna é um instrumento de sopro tocado na Eurásia central, que vai dos Balcãs à Ásia Central. Usado também para tocar música folclórica da Anatólia, Oriente Médio e Ásia Central.

Todavia, o zurna é um oboé cônico, feito da árvore de fruto Apricot e usa uma palheta dupla que gera um som agudo e penetrante.

Assim, historicamente tem sido jogado ao ar livre durante eventos festivos, como casamentos e feriados.

Músicas árabe – Zurna

Ele tem oito orifícios na frente, sete dos quais são usados ​​durante o jogo e um orifício para o polegar, que fornece uma faixa de oitava.

Contudo, os zurnas também são utilizados na música folclórica dos países da região, especialmente no Irã, Armênia, Israel, Afeganistão, Iraque, Assíria, Turquia, Azerbaijão, Grécia, Bulgária.

Também na República da Macedônia, Albânia, Sérvia, Bósnia, Croácia e países caucasianos, e agora se espalharam pela China e Europa Oriental.

Nas nações eslavas dos Balcãs, é tipicamente chamado zurla (зурла). encontram-se muitos tipos distintos de zurnas.

Dessa forma, todos compartilham o mesmo indutor de som – o chamado kalem – que na verdade é uma palheta dupla muito estreita (e curta), às vezes feita de folhas de trigo.

O mais longo (e mais baixo) é o Kaba zurna, usado no norte da Turquia e na Bulgária. Como regra geral, um zurna é cônico e feito de madeira.

 

Darbuka – Músicas árabe

DERBAK 1 - Músicas Árabe - Instrumentos musicais

O Darbuka (também conhecido como Doumbek, Tablah ou Derbeke) é o instrumento de percussão mais icônico da música do Oriente Médio e é tocado por bateristas há mais de 100 anos.

O nome “Darbuka” provavelmente veio da palavra “daraba”, que significa “atacar” em árabe.

A origem geográfica do tambor é Egito, Turquia e Armênia, embora tenha se tornado muito popular em todo o mercado de música oriental em muitos países diferentes.

Segundo os círculos acadêmicos, suas origens remontam a três instrumentos de percussão tocados no mundo árabe durante a Idade Média: Darij, Kuba e Kabar.

Entretanto, muitos elementos iconográficos testemunham a existência desses instrumentos no Egito antigo, do Reino Médio e na Babilônia, com “tambores para beber” (aproximadamente 1100 aC) e até mesmo nas culturas sumérias.

As civilizações da Mesopotâmia, Anatólia e Ásia Central também tocaram instrumentos semelhantes.

Músicas árabe – Darbuka

Tambores com sua forma atual de cálice também foram encontrados na Espanha, um legado do período Al Andalus, durante o qual a região sul do país era governada pelos muçulmanos de 711 a 1492.

Assim, tradicionalmente, o corpo do Darbuka era feito de materiais como argila, madeira ou ocasionalmente, metal, e a cabeça era feita de pele de peixe ou pele de cabra esticada sobre a borda superior.

Os Darbukas modernos são feitos com corpos de metal (normalmente de ferro fundido ou alumínio) e cabeças de plástico (sintéticas).

Então o Darbuka foi popularizado como parte do gênero de música mundial após sua primeira aparição na música ocidental em meados do século XX.

O compositor francês Hector Berlioz foi o primeiro a apresentar um tambor de taça dentro de uma composição musical ocidental, em sua ópera “Les Troyen”.

Mais tarde, o Darbuka foi usado ao lado de uma orquestra de cordas de Halim El-Dabh na produção dos anos 50 “Fantasia Tahmeel”.

No entanto, o Darbuka é notável principalmente por seu longo uso que acompanha dançarinas do ventre, e é conhecido como “o batimento cardíaco da dança do ventre”.

Músicas árabe – Darbuka

Os shows de dança do ventre geralmente incluem um dueto do jogador de darbuka e da dançarina.

Há também fotos de mulheres tocando darbukas do final do século XVIII e início do século XIX.

Artistas do sexo feminino que tocavam para o público feminino eram muito comuns no Egito, Marrocos e Argélia, por causa da segregação de gênero trazida pelo Islã e outras culturas tribais, conhecidas por sua tradição musical ancestral que originalmente tinha propósitos espirituais.

Bandas de música que tocam em países do Oriente Médio incluem pelo menos dois Darbukas, ou suas versões um pouco maiores conhecidas como “Sumbati” e “Dohola”.

Embora tenha sido considerado por algumas décadas como um instrumento de música folclórica, ele começou a ser adotado pela música clássica no início do século XX.

O Darbuka aparece em muitas fotos tiradas durante o Congresso de Música Árabe, realizado em 1932 na Academia Nacional de Música do Cairo, Egito.

Músicas árabe – Darbuka

Mais tarde, o tambor foi adotado por músicos folclóricos de países não árabes, como Grécia e Iugoslávia, através da influência da Turquia.

Saiid El Artist é um famoso baterista egípcio que criou o som moderno da mesa árabe.

Ele é responsável por elevar o Darbuka das ruas e boates para as famosas casas de ópera. Ele criou uma orquestra de mesa e se apresenta nas maiores salas de concerto do Egito.

Na Turquia, Misirli Ahmet elaborou uma nova técnica de bateria há 20 anos, denominada “Split Hand”.

Assim, usando os dedos individualmente para obter velocidade e destreza sem precedentes. Isso iniciou uma “revolução” na Turquia e uma nova geração de bateristas virtuosos, como Misirli Ahmet, Suat Borazan e Bünyamin Olguncan.

Atualmente, existem muitos tipos diferentes de Darbukas, fabricados em todo o mundo, cada tipo com seu som e design únicos.

Riq e Daff – Músicas árabe

riqq - Músicas Árabe - Instrumentos musicais

Riq e pandeiro podem conter similaridade, mas esses instrumentos musicais têm suas próprias individualidade.

Embora os dois instrumentos musicais, ou seja, riq e pandeiro, sejam tocados em um estilo semelhante e soem bastante semelhantes, mas eles têm diferenças sutis que os tornam diferentes e únicos em si.

O Riq, o tradicional instrumento musical árabe, também conhecido como riqq ou rik, era feito anteriormente de armação de madeira, jingles e finas cabeças translúcidas de pele de peixe.

Porém, nos dias modernos, o riq é feito de metal coberto pelos dois lados. A capa do riq é feita com uma boa decoração em marfim e madeira, com pequenos pratos anexados.

Os pratos usados ​​em um riq têm cerca de 4 cm de diâmetro e dez pares em número que são novamente montados em fendas.

Músicas árabe – Riq

Pode-se dizer que riq é um tipo de pandeiro que está rapidamente ganhando popularidade entre iniciantes e amantes da música profissional.

Assim, ao tocar um riq, o jogador alterna entre sacudir os jingles presos ao instrumento e bater na membrana que produz uma mistura quente de sons de tinidos e batidas.

Por outro lado, o pandeiro é um instrumento musical que tem uma única corda presa a pequenos jingles que não têm cabeças de bateria.

Amplamente utilizado na música dos países ocidentais, o pandeiro pode ser tocado de várias maneiras, como tocá-lo, sacudi-lo e acariciá-lo.

Dessa forma, aceito em várias partes do mundo como um instrumento musical popular, o pandeiro é encontrado em todas as formas de música, como música clássica, música persa, música gospel, música pop, música pop e romana e rock, entre outros.

BENDIR – Músicas árabe

BENDIR 1 - Músicas Árabe - Instrumentos musicais

O bendir também denominado arbani ou erbeni é um tambor usado como instrumento corriqueiro no norte da África.

Ao contrário do pandeiro, ele não tem jingles, mas na maioria das vezes tem uma caixa (geralmente feita de tripa) esticada sobre a cabeça, que quando o tambor é atingido com os dedos ou a palma da mão dá ao som uma qualidade vibrante.

Assim, o bendir é um tambor com uma estrutura de madeira e uma membrana. Cria tons diferentes de acordo com a propagação das ondas de choque que se movem pelas próprias peles.

Um tambor de quadro é o tipo de tambor mais antigo e mais comum. O bendir é tocado no Egito antigo, norte da África, e Mesopotâmia. O bendir vive desde épocas pré-históricas.

Músicas árabe – Bendir

O bendir é cerca de 14 a 16 polegadas. O tambor é tocado na vertical, inserindo o polegar da mão esquerda em um orifício especial no quadro.

Também, o bendir ou bandir é usado nas eventos extraordinários do sufi. A tradição sufi é fortemente caracterizada pelo uso de música, ritmo e dança para alcançar estados particulares de consciência.

Durante a tradição, outro tambor acompanha o Bendir, que é pequeno e fechado, chamado bongô. Os bongôs produzem um tom muito alto. Eles são feitos de cerâmica vitrificada ou barro e são presos com um bracelete de couro.

Snujs – Músicas árabe

finger cymbals - Músicas Árabe - Instrumentos musicais

Os pratos de dedo são chamados Zil ou Ziller na Turquia, Sagat ou Sanouj no Egito e em outros países de língua árabe, Kymbalon na Grécia e Mouka no Marrocos.

Contudo, foram achados em muitas culturas do mundo há milhares de anos – Tingsha é o que os tibetanos chamam de pratos de mão, e Taal ou Manjira é o que eles chamam na Índia.

Em vários séculos, pratos de mão ao redor do mundo foram confeccionados de madeira, osso, marfim, concha e cobre.

Entretanto nos tempos modernos, os pratos de metal são feitos de latão ou liga de bronze, geralmente revestidos com outros metais para proporcionar uma certa aparência.

Você pode ver pratos antigos de bronze em exibição no Louvre, Museu Nacional Arqueológico de Atenas e Museu Britânico, e essa forma familiar de prato pode ser vista nos dedos dos dançarinos e músicos de hoje.

Assim, tocar pratos é algo que muitas culturas compartilham, mas cada cultura o faz de maneira um pouco diferente, dependendo da música e da dança envolvidas.

Músicas árabe – Snujs

Na Índia, os manjira costumam ser presos a um longo cordão, e os dançarinos balançam os pratos para frente e para trás, usando-os para golpear vários outros pratos de metal que são presos às roupas ou ao corpo com tiras.

Entretanto nos dias do Império Otomano, grandes pratos de mão chamados kas eram usados ​​nas bandas militares, e ainda hoje são usados ​​nas bandas militares.

No Marrocos, você pode ver músicos Gnawa tocando pratos grandes chamados qarakab, que são acoplados em pares e produzem um som metálico de choque quando atingidos.

Os dançarinos marroquinos de Shikhat tocam a mouka nos dedos com músicas completamente diferentes e em diferentes ocasiões.

Dessa forma, quando se trata de dança do ventre, usamos elásticos para usar um conjunto de 4 pratos nas mãos – um em cada polegar e outro em cada dedo do meio.

O dedo médio e o polegar são unidos para criar o som, às vezes, usamos os pratos de uma mão para tocar os pratos da outra.

Existem muitas técnicas, e mudamos a maneira como tocamos, dependendo da música que estamos tocando e da dança que estamos fazendo.

Nomes usados:

Brasil                                        Snujs
Egito                                         Saggat
Estados Unidos                Finger Cymbals
Índia                                        Manjira
Países Árabes                           Sunouj
Países Árabes                             Silsil
Persa                                          Zang
Persa                                         Salasih
Turkia                                         Zills

 


Este artigo foi útil para você ? Deixe um comentário abaixo e compartilhe nas redes sociais para ajudar a melhorar.

Para conhecer a história da música árabe, clique aqui !


Posts relacionados – Música árabe

 

musica italiana antiga1 - Músicas Árabe - Instrumentos musicais

Música italiana antiga

A cultura da música italiana antiga, da qual a música também é uma expressão, é … Leia mais

1 comment
libia - Músicas Árabe - Instrumentos musicais

Música da Líbia

A Líbia é um país do norte da África. Os árabes são o grupo étnico … Leia mais

1 comment
Jordania - Músicas Árabe - Instrumentos musicais

Música Jordaniana

Músicas da Jordânia A música da Jordaniana folclórica pode ser distinguida de seus países vizinhos, … Leia mais

1 comment
arábia saudita 1 - Músicas Árabe - Instrumentos musicais

Música da Arábia Saudita

Tanto a música ocidental quanto a tradicional são muito populares na Arábia Saudita (Khaleej Music). … Leia mais

1 comment
egito - Músicas Árabe - Instrumentos musicais

Música Egípcia

Música do Egito A música egípcia tem sido parte integrante da cultura egípcia desde os … Leia mais

3 comments
marrocos - Músicas Árabe - Instrumentos musicais

Música Marroquina

Música do Marrocos A música marroquina tradicional e clássica é a mais diversificada e a … Leia mais

1 comment
Sudao - Músicas Árabe - Instrumentos musicais

Música do Sudão

A música do Sudão tem uma cultura rica e única que passou por instabilidade crônica … Leia mais

1 comment

 

Ajude a melhorar esse artigo, de um like ou compartilhe isso. Obrigado!

4 comentários em “Músicas Árabe – Instrumentos musicais”

  1. Assim, a flauta é velha … quero dizer, muito velha. Traços da flauta remontam a 43.000 a 35.000 anos atrás, tornando-o o instrumento mais antigo conhecido…
    Gostei do artigo, parabens…

    Responder
  2. Rebab é um antigo instrumento musical de corda única, criado pela primeira vez por árabes nômades na Península Arábica, de herança beduína e mais do que usado pelos poetas elogiados…
    Obrigado por compartilhar…

    Responder

Deixe um comentário