Música Árabe – História

Música árabe pré-histórica:

A música árabe embora não tenhamos nos referido muito sobre a civilização árabe pré-histórica, os poucos que chegaram não negam a civilização árabe e sua preferência sobre outras civilizações.

Voltando ao primeiro milênio AC, descobrimos que os árabes estavam vivendo uma época próspera, de acordo com o que foi encontrado nas cidades árabes ao sul da Península Arábica.

Bem como com as inscrições babilônicas e assírias.

Contudo, apesar da existência de informações sobre a antiga civilização árabe, o assunto da música permaneceu opaco nessa época.

Até que o primeiro vestígio de música árabe que remonta ao século XVII AC foi encontrado em uma das inscrições de Banipal.

Onde essa inscrição mostra que os prisioneiros árabes dos assírios estavam cantando cânticos, enquanto faziam seus trabalhos.

Música árabe na era pré-islâmica (do primeiro século ao sexto século DC):

musica arabe inicio - Música Árabe - História

A era pré-islâmica não era completamente ignorante, mas uma era com um papel importante na preservação da herança árabe antiga e o que era chamado de “ignorante”.

Exceto pela ignorância dos árabes sobre os ensinamentos do Islã.

Por volta do século II DC, a Península Arábica do norte, especialmente Síria e Iraque ainda estava atolada nos mares da cultura semítica.

Até que os árabes pré-islâmicos começaram a migrar do sul para o norte, levando consigo o que era desenvolver música.

Assim, na Síria, no Iraque e no oeste da Península Arábica, onde a atividade musical emergia em O Hijaz e Meca.

Todos nós ouvimos falar dos fóruns do mercado de Okaz, onde músicos e poetas competiam, além dos rituais religiosos realizados acompanhados de louvor e canto de peregrinos em Meca.

Ocidente

No entanto, a música religiosa não era tão importante para os árabes quanto no Ocidente, porque nem todos os árabes estavam na mesma religião e, portanto, a música mundana era de grande importância.

A composição não era conhecida pelos árabes antes do Islã, pois a música era exclusivamente um canto praticado individualmente por cantor, de acordo com o que seus gostos e emoções ditavam para ele.

Quanto aos instrumentos musicais árabe presentes na era pré-islâmica, eles são distribuídos entre instrumentos de percussão (bateria, pandeiro, gongo e chocalho) e instrumentos de sopro (tipos oboé).

Al-Farabi também nos falou sobre a presença de instrumentos de cordas na era pré-islâmica, e isso é representado pelo tambor, oud e florido (taco com cara de couro), tensor e fixação (oud persa).

Dessa forma, as vantagens que o cantor tinha que ter eram a beleza, o som e o sentimento que tornava o som contínuo e ondulado.

Entre as bandeiras da música pré-islâmica, mencionamos Uday bin Rabia, conhecido como Al-Muhallal, e Al-Aasha, chamado pela indústria árabe, por seu dilúvio na Península Arábica, cantando poemas.

Além disso, as damas árabes tinham um papel na música anteriormente ao Islã, como as mulheres tribais cantavam, dançavam e tocavam seus instrumentos.

Havia o que é conhecido como classe (qiyan) que vivia nas casas dos líderes ricos e tribais e cantavam em bares, e a aquisição de qiyan era uma fonte de orgulho para os árabes.

Islã e música

musica arabe pré islâmica - Música Árabe - História

Lembramos aqueles que eram famosos entre as divas na era pré-islâmica, que retornaram do Qinat de Bani Aad, Al-Khansa e Umm Hatim al-Tai Hind Bint Ataba.

Que costumavam aliviar os problemas de viagem das tribos de Quraish cantando canções de guerra e o lamento dos mortos.

É evidente que a nova religião provocou transformações na vida dos árabes na Península Arábica, começando com o Hejaz, berço da civilização islâmica, especialmente as transformações que ocorreram na música.

Ijti tinha continuado a proibir a música e a analisá-la novamente, apesar da ausência de qualquer prova no Alcorão que a música é proibida.

Entretanto, parece que a proibição de música e canto estava ligada à proibição de conselhos de bebida e diversão em que a música era tocada.

Em relato, pelo escrito na biografia profética, o Profeta Muhammad (PBUH) estava escutando os vizinhos que vinham para Aisha.

Assim, as opiniões permanecem divergentes sobre esse assunto e não são objeto de discussão neste relatório.

Mas basta mencionar que o Islã, com seus novos ensinamentos, levou a música a novos estágios.

Talvez o chamado à oração tenha sido uma dessas transformações, pois o chamado à oração estava mais próximo do canto.

Contudo em Medina, os árabes se misturaram com os persas, então a música árabe começou a ser influenciada pela música persa desde essa fase.

A fábrica do canto deslocou-se para os árabes masculino, e entre os primeiros e mais famosos deles está o cantor Twais.

Quanto aos instrumentos musicais usados ​​na era do início do Islã, eles são os mesmos que foram usados ​​na era pré-islâmica.

Música no período omíada (661-750 DC):

historia musica arabe - Música Árabe - História

A música no início da era dos califas justamente (632-661 DC) testemunhou um grande ataque, proibida pelos militantes, particularmente por dois califas Abu Bakr Al-Siddiq e Omar Bin Al-Khattab.

Até que ela viu um lampejo de luz durante o reinado de Ali e Othman, cujo reinado fazia-se os aspectos sociais da vida árabe e muçulmana.

Ao fazer isso, eles incentivaram a música como parte de uma vida luxuosa.

Assim, quando o califado se mudou para os omíadas, os omíadas construíram os mais belos palácios da capital do califado, Damasco.

O canto mudou de um trivial trabalho de escravos a um trabalho para o alto nível social.

Então a música árabe entrou nos palácios dos califas com seus amplos portões e os recompensou com presentes e recompensas musicais.

A extensão do império árabe para as montanhas hindus a leste e o Oceano Atlântico a oeste também tiveram um impacto na música árabe.

Pois foi influenciado pelas teorias musicais gregas e características da música persa.

Entre os cantores árabes mais proeminentes da era omíada estava Saeb Khair, e entre as mulheres, Izzat Al-Mella e Jamila.

Também não esquecemos a virtude de Ibn Musa’jah, conhecido como o pai da música árabe antiga.

Ele introduziu renovações melódicas e lançou as fundações e teorias de tocar, cantar e compor, como ele seguiu a abordagem de cantores e músicos.

Música na era abássida (750-1258 DC):

renascimento - Música Árabe - História

Quando a era abássida é mencionada, vem à mente a era dourada dos árabes e muçulmanos, na qual os abássidas queriam superar as glórias dos antigos sassânidas na Pérsia.

A ciência e artes floresciam em suas mãos enquanto a capital do califado se mudava de Damasco para Bagdá.

Assim, institutos, laboratórios e hospitais foram construídos. Nos foi narrado sobre a paixão dos califas abássidas pela arte.

Até que os azulejos dos príncipes crentes se transformaram em institutos e conselhos musicais.

Dessa forma essa atmosfera encorajou os músicos e incentivou-os a avançar na elevação do nível da música e de seu status, de várias maneiras.

Incluindo performance lírica, pesquisa e estudos musicais, onde chegamos ao livro “A Message in Music”.

Escrito por Ibn Mounjem, um dos alunos de Yitzhak Al-Musli, uma pesquisa valiosa na escada da música árabe que foi usada até o século XV.

Que é semelhante à paz pitagórica grega, como os árabes aprenderam com o conhecimento abundante da Grécia através de traduções que atingiram seu clímax no século IX DC.

A era de Harun al-Rashid (786-809 DC):

É considerada uma era cheia de glórias e fóruns em cultura, literatura e arte. Em sua corte, os maiores talentos musicais como Ibrahim Al-Mawsali, Ishaq Al-Mawsali, Ibn Jame’a e Szilal se reuniram.

Contudo até o século IX, o canto continuava sendo a atividade musical dominante e predominante, até o século X.

Adotavam uma nova abordagem na música árabe adquirida pela mistura com persas, mongóis e turcos.

O modelo de música (Nubia) que permitia que o canto se apresentasse automatizado, então entrou na improvisação musical com outros instrumentos.

O oud mudou o mestre das máquinas, como a lei que foi amplamente usada na Síria no século X, o mesmo fez al-Rababah.

Dessa forma, a música logo entrou nas escolas e universidades, e novas teorias da música surgiram dos árabes sobre os métodos de apresentação e composição.

Assim de modo que o Ocidente concedeu um reconhecimento inequívoco de que os árabes se uniram à música como um salto quântico, pois foram capazes de colocar cerca de duzentas criações em todas as artes e ciências musicais no período entre os séculos IX e XIII.

Quanto à bomba do renascimento musical, ela explodiu na Andaluzia entre os séculos VIII e XV, com a introdução do Islã na Andaluzia em 713 DC.

A chegada de um califado omíada desagregado do califado abássida em Bagdá, adquirindo Córdoba como sua capital, no século IX, instituiu-se escolas que tencionavam superar as escolas de Bagdá.

Então, o estabelecimento de escolas e institutos culminou na primeira faculdade de música em Salamanca.

Dessa forma, Córdoba se tornou um ponto focal da cultura musical, nela e em outras, foram elogiadas as criações do imã árabe Zeriab.

Que foi ensinado as origens da música persa e árabe nas mãos do talentoso músico Isaac Al-Musli.

Renascimento

renascimento musica arabe - Música Árabe - História

E quando o fogo desse renascimento começou a desaparecer no século XV, o Ocidente pegou e o reacendeu na Europa no início do século XVI.

Então os estilos orientais de melodias e poesia se moveram, e os ritmos marroquinos vazaram no canto da poesia do tropador francês.

Isso foi acompanhado pela transmissão de instrumentos de música árabe como o oud e a harpa.

Isso foi conduzida para a Europa. As ciências musicais são apenas um ponto do mar que o Ocidente tirou dos árabes de teorias e pesquisas em vários campos da ciência.

O que resultou na mudança dos mecanismos de desenvolvimento e urbanização na Europa depois que ela se recuperou na era das trevas.

Após o colapso da civilização dos árabes na Andaluzia, um grande número de seus habitantes mudou-se para o norte da África.

Os efeitos da música andaluza permearam a música desses povos.

A dissolução dos ritos andaluzes de natureza religiosa e artística como parte da herança desses povos, elogios, giros, piadas e misturas com a exortação tirada da antiga poesia sufi.

Depois, ele alimentou essa cor da arte com outras influências orientais, tornando-se conhecido no Marrocos como (o automático), a fim de diferenciá-lo da arte que depende apenas das vozes dos cantores.

Na Argélia é chamado (obra de arte argelina), enquanto na Tunísia e na Líbia é chamado (o familiar).

Música no período otomano:

Em 1453, os turcos capturaram Constantinopla, e isso foi cerca de quarenta anos antes da queda da civilização árabe na Andaluzia.

Assim os otomanos passaram ao islamismo como um meio de compreender as malhas da influência otomana em uma ampla área do mundo.

Seu governo para um império em expansão quase chegou a Viena em 1529.

Os otomanos gostavam de música com muito amor e o interesse dos califas otomanos aumentava o medo dos proprietários do método mevlevi.

Dessa forma um movimento atribuído ao místico Jalal al-Din al-Rumi, que controlava a indústria da música na época, e o sultão Selim III foi o primeiro a extrair músicas dos Takaya do Mevleviyya e transferi-las para o Palácio do Califado.

A música na era otomana foi influenciada pelo caráter turco primeiro, e pelas teorias gregas, árabes e persas, segundo, pelo caráter europeu, terceiro.

Isso entrou na música árabe em uma fase um tanto decadente, especialmente à luz do domínio dos mamelucos e do estado ayyubid.

Então a música árabe foi muito afetada pela natureza da música ocidental depois que os franceses entraram no Egito, devido à perda de características. Música árabe autêntica por esse motivo.

Música árabe na era moderna – Renascimento (aproximadamente 1800-1910 DC):

heranca arabe - Música Árabe - História

Antes do Renascimento, o Oriente Árabe estava fechado a si próprio, arrastando os grilhões do domínio turco, francês e britânico sobre os países árabes.

Dessa forma, esse atrito forçado com esses povos ocidentais gerou uma posição revolucionária entre os árabes que aspiravam a alcançar a independência.

De modo que ocorreram revoluções no Egito, na Síria e em outros países, e conquistaram sua liberdade e independência.

A era pós-revolução teve que produzir frutos de construção, renovação e reforma, nos níveis de direitos naturais, humanos, de status, economia do comércio, agricultura , indústria, ciência em todos os seus ramos e artes em todos os seus centros.

Assim, a arte da música na era do renascimento árabe recebeu grande atenção, pois a primeira metade do século XIX testemunhou um renascimento da escola de música árabe moderna, em seu campo científico e teórico.

Possuía monumentos, escritos e bandeiras que não apenas passavam nos passageiros da música árabe, mas também na música ocidental.

Um dos pioneiros desta escola é Muhammed Shehab Al-Din, proprietário do livro “The Shehab Ship”.

Considerado um dos pilares da música no século XIX, quando ele carregava cerca de trezentos e cinquenta candidatos entre as duas mãos.

Mohammed Abdul Rahim, famoso por seu estilo, apareceu, ele foi o primeiro a cantar “Al-Dour”.

Após 1910:

musica nos palacios - Música Árabe - História

O século XX foi prolongado, e o mundo árabe começou a tirar de seus ombros a mortal ignorância da ignorância.

As concepções da modernidade ocidental obtiveram descobertas e invenções, o conflito da modernidade e o antecessor iniciou o transporte para o mundo árabe com a colonização europeia.

Assim ao final do século XX se deu os primeiros sinais de vigília, e as equipes de canto sufi e a performance do muwashah árabe, poemas e papéis apareceram em suas origens, esplendor.

Institutos apareceram na Síria desde os anos 30, no Egito desde os anos 20, alguns dos quais ainda existem hoje.

Dessa forma esta era carregava enormes eventos e admirações , dos quais o mais relevante começou a notação musical que alguns historiadores remontam aos anos trinta do século passado.

Bem como a realização da primeira conferência de música árabe no Egito em 1932, para estudar músicas, pesos e tudo relacionado à música árabe.

 

 


Este artigo foi útil para você ? Deixe um comentário abaixo e compartilhe nas redes sociais para ajudar a melhorar.

Para conhecer alguns instrumentos musicais árabe, clique aqui !


Posts relacionados – Música árabe

Arabia - Música Árabe - História

Música Árabe – História

Música árabe pré-histórica: A música árabe embora não tenhamos nos referido muito sobre a civilização … Leia mais

3 comments
musica italiana antiga1 - Música Árabe - História

Música italiana antiga

A cultura da música italiana antiga, da qual a música também é uma expressão, é … Leia mais

1 comment
libia - Música Árabe - História

Música da Líbia

A Líbia é um país do norte da África. Os árabes são o grupo étnico … Leia mais

1 comment
Jordania - Música Árabe - História

Música Jordaniana

Músicas da Jordânia A música da Jordaniana folclórica pode ser distinguida de seus países vizinhos, … Leia mais

1 comment
arábia saudita 1 - Música Árabe - História

Música da Arábia Saudita

Tanto a música ocidental quanto a tradicional são muito populares na Arábia Saudita (Khaleej Music). … Leia mais

1 comment
egito - Música Árabe - História

Música Egípcia

Música do Egito A música egípcia tem sido parte integrante da cultura egípcia desde os … Leia mais

3 comments
marrocos - Música Árabe - História

Música Marroquina

Música do Marrocos A música marroquina tradicional e clássica é a mais diversificada e a … Leia mais

1 comment

Ajude a melhorar esse artigo, de um like ou compartilhe isso. Obrigado!