Reprodução Musical – A História da Evolução

 

Tudo começou com o fonógrafo. Foi o ponto culminante de uma série de inventos que tentaram realizar a tarefa de gravar de forma mecânica em algum meio as vibrações sonoras. A grande inovação do fonógrafo encontra-se em sua capacidade de também reproduzir os sons que gravava!

 

História Musical com o fonógrafo.

 

O fonógrafo de Edison (1889)

O fonógrafo, a chamada máquina de falar inventada por Edison em 1877, mãe de todos os desenvolvimentos no campo da reprodução sonora. Assim, permitia uma curta incisão vertical em uma folha de papel alumínio, em formato de cilindro.

Chichester A. Bell  e  Charles Sumner Tainter , nos anos 1881-86, substituem a folha de alumínio usando um cilindro de papelão coberto com cera.

Entretanto, novamente Edison, em 1888, proporá uma versão “final” do fonógrafo equipando sua criação com um mecanismo elétrico, e produzindo os cilindros primeiro em cera vegetal, depois em goma-laca.

Porém, devemos a invenção do disco ao alemão  Emile Berliner . Portanto, em 1887, Berliner inventa e produz os primeiros gramofones que permitem uma gravação lateral em disco.

Assim, em alguns anos discos e cilindros de cera invadem o mercado. Então, os dois sistemas coexistem por várias décadas, embora um pouco separados nos campos de uso: os discos serão preferidos para o
reprodução de música enquanto os cilindros serão usados ​​acima de tudo como suporte para ditafones.

Quanto ao disco, os experimentos com materiais seguem, e o famoso goma-laca só será o amálgama mais utilizado na produção de 78 rpm. A velocidade de leitura do disco, longe de ser uniforme nas primeiras décadas do século. Assim, ela será normalizada apenas em 1948 dos 78r / min.

O mercado de cilindros e discos de goma-laca a 78 rpm sofrerá uma forte redução com o advento, nos anos 50, do disco de vinil. Assim, o duradouro disco de vinil de 33 1/3 rpm (LP) nasceu em 1947.

 

A Evolução da Reprodução Musical

 

História do vinil.

 

Sua robustez, a longa duração da gravação garantida pela técnica de micro sulcos, a drástica redução de farfalhar e outras vantagens indubitáveis ​​estabelecerão as razões do grande sucesso do disco LP. O advento no mercado do irmão mais novo do disco de vinil, ou 45 rpm, segue dois anos depois.

De fato, em 1949 nasceu o pequeno mercado de discos, um pequeno que invadiu o mercado com suas próprios vendas milionárias.

45 rpm é sinônimo de SINGLE: canções de sucesso e singles circularão neste suporte ágil de fato, das principais bandas de rock da história. Portanto, a tecnologia alcançou um ótimo resultado em 1957, propondo o primeiro disco de vinil estereofônico.

A primeira versão da fita magnética proposta pela  BASF  é de 1934. Assim, as fitas magnéticas serão amplamente utilizadas nos setores profissional e comercial (especialmente nos setores
versões de tamanho reduzido).

A possibilidade de montar transmissões reais no estúdio, cortar e unir fitas de diferentes tipos
origem, garantirá a esse apoio uma grande fortuna no campo profissional a partir dos anos 50.

A fita cassete representa talvez a expressão mais democrática da reprodução musical. Dessa forma, em muitos países, especialmente não industrializada, a fita ainda é uma das principais vozes de vendas de discos atualmente.

Philips  propôs o primeiro gravador de cassetes em 1963 e os cassetes começaram a circular no ano seguinte comercial.

A natureza dupla da caixa não deve ser esquecida: sua simplicidade de uso como meio de registro e, acima de tudo, seu baixo custo favoreceram sua disseminação em todo o mundo.

A última grande revolução na reprodução musical no campo da gravação, a digital, é datada de 1982. Então, nesse ano, a Philips lançou o CD (CD) no mercado, um meio que para solidez, facilidade de uso e pureza do som garantidas ao longo do tempo sancionará, pelo menos no Ocidente, o colapso das vendas dos suportes tradicional.

O advento do CD limitará os “discos pretos”, pelo menos no que diz respeito ao mercado ocidental, em um setor de nicho destinado a entusiastas analógicos, DJs e rappers.

Nos últimos anos, a versão gravável experimentou uma forte expansão do CD, o chamado CD-R. Então é o início da produção em larga escala dos recentes DVDs, discos ópticos de grande capacidade usados ​​principalmente para o armazenamento e reprodução de filmes.

Música para todos.
 Curso de Violão

Outros Posts

Violino para IniciantesAulas de guitarra
 Curso de GuitarraTeoria MusicalViolão para IniciantesAulas de Saxofone
 Curso de TecladoAulas de violinoComo tocar BateriaAulas de teclado
 Curso de BateriaAprender a tocar guitarraGuitarra ElétricaAulas de violão
 Curso de ViolinoAulas de pianoTeclado para IniciantesAulas de Bateria
 Curso de Saxofone  Início

Não perca essas dicas!

Não fazemos spam! Leia mais em nossa política de privacidade

Deixe um comentário